Democratas fortes na disputa pelos governos nos Estados

Prezado amigo filiado,
Prezada amiga filiada,

Toda eleição é um momento privilegiado da democracia, mas acredito que a disputa de 2010, para nós, democratas, terá um gosto especial: o gosto da vitória. Podemos avançar, de forma extraordinária, na conquista de governos estaduais.

Levantamento do jornalista Fernando Rodrigues, da Folha de S. Paulo, feito com base em pesquisas eleitorais e divulgado nesta semana, reconheceu que o Democratas tem pelo menos seis candidatos competitivos para encabeçar chapas vitoriosas nas disputas estaduais.

Segundo o estudo, nossos candidatos lideram a corrida no Distrito Federal, Bahia, Mato Grosso, Rio Grande do Norte, Tocantins e Santa Catarina. Eu lhes garanto que temos mais nomes: João Alves, ex-governador de Sergipe, é o principal candidato do páreo estadual e isto vai ficar claro quando a corrida eleitoral esquentar.

Estamos trabalhando duro nos estados e construindo nossa vitória com muita unidade e muito respeito ao eleitor. No Distrito Federal, por exemplo, o governador Arruda e o vice-governador Paulo Octávio já renovaram o acordo de apoio recíproco e disputarão a reeleição.

Em Santa Catarina, nosso pré-candidato é o senador Raimundo Colombo. Na Bahia, o ex-governador Paulo Souto. No Tocantins, a senadora Kátia Abreu é a maior liderança popular do estado. No Mato Grosso, quem pavimenta seu caminho de chegada é o senador Jayme Campos enquanto no Rio Grande do Norte avança a senadora Rosalba Chiarlini, nossa pré-candidata.

Estou feliz e confiante. Eleições são essenciais à democracia porque conferem legitimidade a quem administra o poder público. E a campanha abre espaço para que a gente mostre à população nosso jeito de garantir oportunidades iguais no esforço do desenvolvimento e nossas propostas de uso dos recursos públicos em benefício das pessoas.

É isso, um forte abraço e até a semana que vem.

 

DEM confirma candidatura à reeleição de governador e vice do DF

O presidente nacional do DEM, deputado Rodrigo Maia(RJ), confirmou nesta quinta-feira por meio de nota que o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM), e o vice, Paulo Octávio (DEM), vão disputar a reeleição nas eleições de 2010. A decisão foi tomada após reunião da Executiva Nacional realizada ontem, em Brasília. A confirmação veio depois de Paulo Octávio desistir de concorrer ao Senado. Agora, o vice assumiu a condução do processo eleitoral no DF e concordou em disputar o governo somente se Arruda assumir novos desafios eleitorais. Ele também transferiu para 2014 a disposição de se candidatar ao governo. Na nota, o presidente do DEM cumprimentou Paulo Octávio por manter a "unidade e o êxito" do DEM no Distrito Federal. "Agradeço ao vice-governador pela sua dedicação e sua generosidade no exercício da vida pública", disse Rodrigo Maia.

 

Sob contestação do DEM, plenário aprova criação da Petro-sal

Sob forte contestação da bancada do Democratas, o plenário da Câmara aprovou, nessa quarta-feira (19), o Projeto de Lei (PL) 5939/09, que cria a empresa Petro-Sal. Na tribuna, o líder do Partido na Casa, Ronaldo Caiado (GO), ressaltou os pontos controversos como a falta de limite para criação de cargos para a nova empresa. "Essa proposta do governo não define o número de funcionários. Essa questão deverá ser definida por um estatuto. Ora, amanhã, sem nenhum critério, esse estatuto vai dizer que precisa de 50, 60, 80 diretores porque é exatamente a maneira como o governo da ministra Dilma utiliza para ampliação dos salários dos seus apaniguados", disse Caiado que também criticou a falta de pré-requisitos técnicos para o preenchimento dos cargos. O Democratas também tentou incluir no texto do projeto a participação da Agência Nacional do Petróleo (ANP) na fiscalização da Petro-sal. E em segunda emenda a permanência da quarentena por um período de 12 meses, a mesma que é aplicada para as agências reguladoras. As emendas, no entanto, foram derrubas.

 

Demóstenes Torres critica decisão do STF no caso Battisti

O senador Demóstenes Torres (GO) criticou a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de deixar nas mãos do presidente Lula a extradição ou não do ex-ativista italiano Cesare Battisti. Nessa quarta-feira (18), por cinco votos a quatro, o STF decidiu por entregar Battisti ao governo italiano, mas deixou a palavra final para o presidente da República. "Decisão do STF é para ser cumprida. Já diz o ditado: ‘acima do Supremo, só Deus'. O órgão não tomou uma decisão; foi pusilânime, como não pode. O STF não pode titubear, tem que decidir", frisou Demóstenes. Cesare Battisti está preso no Brasil desde 2007. Ele já foi condenado pela justiça italiana por ter participado de quatro homicídios, nos anos 70. O parlamentar disse ainda que, se virar um costume do STF não decidir e apenas sugerir, o Brasil ficará em péssima reputação tanto no cenário nacional quanto internacional."Que o presidente Lula haja como um estadista. Não podemos mais acolher um criminoso, que cometeu crimes comuns e que, por isso, não pode ter a função de refugiado", declarou.

 

Para governo, FMI é mais importante que os aposentados, diz Onyx

O governo federal não quer conceder reajuste aos aposentados alegando que o impacto orçamentário será muito alto. O vice-líder do Democratas na Câmara, Onyx Lorenzoni (RS), foi à tribuna nessa terça-feira (17) para falar sobre a obstrução que do Partido até que o governo vote o Projeto de Lei (PL)1/07, também conhecido como Projeto dos Aposentados. "Essa é uma luta que a bancada faz em prol de uma classe que trabalhou a vida inteira pelo Brasil. O governo Lula diz que não tem como gastar R$ 6 bilhões para fazer justiça com 5,3 milhões de aposentados e 3 milhões de pensionistas. Pois, o que Lula emprestou ao FMI é três vezes o impacto do reajuste do salário mínimo igual para as aposentadorias no Brasil", ressaltou. Onyx afirmou também que, para o Planalto, o FMI deve ser mais importante que os aposentados, uma vez que o governo emprestou para o Fundo cerca de US$ 10 bilhões. O montante equivalente a mais de R$ 17 bilhões, o que solucionaria grande parte do desespero dos trabalhadores. "Lula também deve achar que o trabalhador do ABC é mais importante que os aposentados do país. As renúncias fiscais concedidas para agradar os sindicatos do ABC, sua antiga base eleitoral, atingem R$ 3,5 bilhões", informou.

 

 

 

DEM rechaça presença do presidente do Irã no Congresso brasileiro

Em nota apresentada pela Comissão Executiva do Democratas, o partido solicitou ao presidente do Congresso Nacional, senador José Sarney que não permita a vinda de Mahmoud Ahmadinejad, presidente do Irã, ao parlamento brasileiro. O partido entende que a presença de Mahmoud Ahmadinejad no Congresso Nacional seria incompatível com os princípios filosóficos e constitucionais da democracia brasileira. Para o partido, "convites do Congresso brasileiro a chefes de Estado, de Governo ou de Parlamento, não são apenas formalidades. Tratam-se de simbolismos que afirmam a amizade entre os Povos e o respeito à representação política de cada país. Devem, portanto, ter como limites elementos constituintes que vão além dos parâmetros políticos, entre eles o respeito à diversidade étnica e religiosa. Declarações infelizes de certos dirigentes políticos, não expressam a sua prática nem a maneira de pensar. Mas quando estas declarações são sistemáticas e se confundem com a própria ação política, não há como não considerá-las como marca de um regime ou mesmo de um governo."

 

Leitura Dinâmica

A agenda - Cesar Maia, Folha de S. Paulo

Petrópolis, enderço certo - Rodrigo Maia, Diário de Petrópolis

« Voltar para o índice

Para retirar seu e-mail da lista clique aqui.

Você recebeu este e-mail porque foi registrado em http://www.democratasinforma.org.br para receber o boletim informativo do DEMOCRATAS.
Se esta newsletter for bloqueada, adicione contato@democratasinforma.org.br aos seus contatos. Vejas as edições anteriores.
Envie este boletim para um amigo. Filie-se ao partido.

© 2008-2017, DEMOCRATAS. Todos os direitos reservados.
#